Fernando Madureira (1985-1988)

    Titular da Dicave (Campinas/SP)

    Fernando Madureira assumiu a presidência em uma época em que a atuação da entidade se ampliava. O mercado voltava a crescer, emitindo sinais para mais otimismo e a ABRACAF crescia com ele. Foi durante sua gestão que a Fiat lançou o Uno, considerado um dos mais bem sucedidos produtos da indústria automotiva brasileira. É nesse período que a ABRACAF inaugura sua própria sede e aumenta sua influência política, conquistando uma maior participação na Abrave.

    Antes de ser eleito, Madureira já havia ajudado a formular o Código de Ética para o setor. A elaboração desse Código visava resguardar os direitos daqueles que se sentissem prejudicados com atuações indevidas de outros Concessionários, garantindo, portanto, maior justiça entre seus associados.

    “A minha passagem como presidente da ABRACAF foi tumultuada”, diz Madureira, explicando: “No Brasil era implantado o Plano Cruzado, em 1986; José Carlos Carvalho, então presidente da Abrave, estava batendo forte no órgão regulamentador das montadoras; realizávamos congressos e manifestações em Brasília e tínhamos, quase semanalmente, reuniões com o ministro da Fazenda”.

    Madureira, porém, superou esses entraves com maestria e as relações com a montadora passaram a ter outra conotação. E deixou o cargo com um caixa dez vezes maior do que encontrou ao assumir.