Stellantis atingirá a meta de emissões sem a ajuda da Tesla, diz CEO

    [Fonte: Olhar Digital]

    Ao que tudo indica, a Stellantis está rapidamente avançando com a eletrificação de sua frota de veículos. De acordo com o CEO Carlos Tavares ao jornal francês Le Point, a montadora pretende atingir as metas de emissões estipuladas pela União Europeia em 2021 sem a ajuda dos créditos ambientais comprados da Tesla.

    Formada pela junção da PSA (França) com a FCA (Itália), a Stellantis havia prometido triplicar as vendas globais de veículos elétricos em 2021. Até o fim do ano, a meta seria atingir o patamar de 400 mil carros elétricos e híbridos plug-in no mercado, quase o triplo das 139 mil unidades vendidas em 2020.

    Em relação às metas de emissões, o grupo desembolsou nada menos que 2 bilhões de euros (R$ 12 bilhões) para comprar créditos ambientais de CO2 da montadora de Elon Musk no período entre 2019 e 2021.

    “Com a tecnologia elétrica que a PSA trouxe para Stellantis, atenderemos às regulamentações de emissão de dióxido de carbono já neste ano”, disse Tavares em entrevista ao Le Point. “Assim, não precisaremos recorrer a créditos europeus de CO2 e a FCA não terá mais que fazer pool (união entre empresas) com a Tesla ou qualquer outra”.

    Resumidamente, o acordo batizado de ‘pooling’ só ocorre porque empresas que produzem exclusivamente carros elétricos, como é o caso da Tesla, têm cotas de créditos ambientais sobrando. Por isso, a montadora pode vendê-las para empresas que não conseguem atingir a meta de emissões de CO2 estipulada pela União Europeia.

    De acordo com as leis europeias, todos os fabricantes de automóveis precisam reduzir as emissões de seus veículos para uma média de 95 g / km. E mais: a Comissão Europeia planeja voltar a discutir os critérios em breve, e especula-se que a meta seja reduzida para algo em torno de 43 g / km, a partir de 2030.

    Agora, a Stellantis terá que definir com a Tesla de que forma o contrato de pool será rescindido e, claro, as devidas implicações financeiras. “Como resultado da combinação de PSA e FCA, a Stellantis estará em posição de atingir as metas de CO2 na Europa para 2021, sem acordos abertos de pool de carros de passageiros com outras montadoras”, acrescentou o porta-voz da montadora em nota à Reuters.

    Graças à fusão da PSA e FCA, o grupo automotivo franco-ítalo-americano é proprietário de 14 marcas, ao todo: Abarth, Alfa Romeo, Chrysler, Citroën, Dodge, DS, Fiat, Jeep, Lancia, Maserati, Opel, Peugeot, Ram e Vauxhall.