FCA começa a exportar cabeçotes para a Itália

    [Fonte: Automotive Business]

    Linha de usinagem de Betim, MG, recebeu R$ 2 milhões e passa a funcionar em três turnos

    A FCA começou a exportar cabeçotes produzidos em Betim (MG) para a fábrica de Térmoli, na Itália. De acordo com a montadora, até o ano que vem serão cerca de 100 mil unidades. A operação exigiu investimento de R$ 2 milhões para adequação da linha de usinagem, que passa a funcionar em três turnos.

    Os cabeçotes serão aplicados na Europa em motores 1.4 Fire Evo Tetrafuel e Benzina, utilizados nos Lancia Y e nos Fiat Panda, Qubo e 500. A seção de motores de Betim tem capacidade instalada para 460 mil cabeçotes por ano e produz a família de motores Fire, Fire Evo e Firefly, além das transmissões C-510 e C-513.

    A fábrica também está recebendo R$ 500 milhões para iniciar a partir do ano que vem a produção do FireFly Turbo. De acordo com a FCA, com esse aporte a fábrica vai se tornar o maior polo produtor de motores e transmissões da América Latina, com capacidade para 1,3 milhão de unidades por ano.

    “A planta Powetrain de Betim está recebendo investimentos para diversificar a produção e também expandir as exportações para América Latina e Europa”, afirma o diretor industrial de powertrain da FCA para a América Latina, Cláudio Rocha.

    O cabeçote é um dos responsáveis pelo controle da queima da mistura ar-combustível e tem relação direta com consumo e desempenho do motor. Nele vão instalados componentes vitais, como válvulas de admissão e escape, velas de ignição, coletores de admissão e escape e o comando de válvulas do motor.