Embraer lança subsidiária para desenvolver seus ‘carros voadores’

    [Fonte: Quatro Rodas]

    Batizada de Eve, startup da Embraer focará em veículos voadores elétricos e infraestrutura. Uber é parceira da nova empresa

    A Embraer anunciou, nesta quinta-feira (15), o lançamento de sua nova subsidiária, voltada exclusivamente para o mercado de mobilidade aérea urbana (UAM). A startup, batizada de Eve, focará no desenvolvimento de veículos voadores elétricos (eVTOLs) e também em soluções de um dos maiores desafios da categoria: o gerenciamento de um tráfego aéreo completamente diferente da aviação geral.

    A Eve é a primeira empresa independente a surgir da EmbraerX — braço da fabricante voltado à inovação. Em um nicho onde gigantes como a Embraer e Hyundai são exceções, a intenção é que uma estrutura mais enxuta e menos burocrática permita a brasileira acompanhar e se sobressair em uma briga muito dinâmica e, ao mesmo tempo, incerta.

    Esse é mais passo concreto da fabricante na competição dos VTOLs, e consolida a sua parceria com a Uber via programa Elevate, de desenvolvimento de veículos voadores.

    Indicado como CEO da nova companhia, André Stein é funcionário de carreira da Embraer e participou do desenvolvimento do carro-chefe da fabricante, a nova geração dos E-Jets. Isso aponta que a empresa valerá de seu know-how aeronáutico, e não de estratégias automotivas, para desenvolver seus produtos.

    Embraer/Divulgação

    Francisco Gomes Neto, CEO e Presidente da Embraer, destacou que “a Eve está preparada para conceber a nova fronteira no transporte com aeronaves inteligentes, ambientalmente amigáveis e autônomas, o amplo suporte associado e soluções de gerenciamento de tráfego aéreo urbano”.

    Carro ou avião?

    O avanço da Embraer no mercado de UAM é mais um sinal de que os veículos voadores serão, de fato, mais próximos dos aviões que dos carros. Entre os principais desafios do setor, há a criação de um sistema de tráfego aéreo adequado para deslocamentos curtos e breves, com mais capilaridade.

    Além disso, questões como condições meteorológicas, segurança e capacitação dos motoristas carecem de soluções e ficarão sujeitas a regulamentação de diferentes países. No Brasil, por exemplo, um VTOL seria regido pela Anac e, portanto, seguiria todas as regras de um avião. É pensando nesses problemas que a Eve focará, também, na infraestrutura do voo urbano.

    “SUV elétrico voador”

    No ano passado a EmbraerX já havia apresentado seu conceito de veículo voador. Apesar de compará-lo a um SUV, o veículo apresenta as principais características de um helicóptero, como asas rotativas (as hélices). Além disso, ele não prevê um modelo híbrido, com possibilidade de locomoção terrestre.